arquivos.tex 14.4 KB
Newer Older
1 2 3 4
\documentclass[apostila.tex]{subfiles}


\begin{document}
5 6
Arquivos
Como não podia deixar de ser, a linguagem C possui uma série de funções que permitem que o programador possa manipular arquivos, seja para criá-los, ler ou escrever neles.
7

8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267 268 269 270 271 272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 311 312 313 314 315 316 317 318 319 320 321 322 323 324 325 326 327 328 329 330 331 332 333 334 335 336 337 338 339 340 341 342 343 344 345 346 347 348 349 350 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 361 362 363 364 365 366 367 368 369 370 371 372 373 374 375 376 377 378 379 380 381 382 383 384 385 386 387 388 389 390 391 392 393 394 395 396 397 398 399 400 401 402 403 404 405 406 407 408 409 410 411 412 413 414 415 416 417 418 419 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 441 442 443 444 445 446 447 448 449 450 451 452 453 454 455 456 457 458 459 460 461 462
As funções descritas nesse capítulo utilizam ponteiros do tipo FILE* para manipular arquivos, seja
êscrita ou leitura.

Declaração de uma variável ponteiro de arquivo:

FILE *fp;

16.1 Funções para manipula,cão de arquivos

Função Opera,c~ao
fopen() Abre um arquivo
fclose() Fecha um arquivo
fputc() Escreve um caractere em um arquivo
fgetc() L^e um caractere de um arquivo
fseek() Procura por uma posição do arquivo
fprintf() Grava uma string num arquivo, com formatação (saída formatada)
fscanf() L^e um string do arquivo, com formatação (entrada formatada)
feof() Retorna verdadeiro se o fim do arquivo é encontrado
ferror() Retorna verdadeiro se ocorreu um erro
fread() L^e um bloco de dados de um arquivo
fwrite() Escreve um bloco de dados em um arquivo
rewind() Reposiciona o ponteiro de arquivo no começo do arquivo
remove() Apaga o arquivo

Tabela 16.1: Funções mais usadas

Veja a lista das funções mais comuns na tabela ??. Todas as fun,c~oes apresentadas estão na biblioteca
stdio.h.

16.2 EOF
êOF é uma constante definida na biblioteca stdio.h que 'e utilizada para indicar o fim de um arquivo.
No geral, qualquer função que realiza leitura sobre um arquivo retorna EOF se n~ao houver mais nenhum
caracter a ser lido, ou seja, caso tenha sido atingido o final do arquivo.

16.3 Função fopen()
Protótipo:

67

68 CAP

'

ITULO 16. ARQUIVOS

(FILE *)fopen(char *nome do arquivo, char *modo);
êsta função abre um arquivo e retorna um ponteiro de arquivo. O primeiro argumento é o nome do
arquivo. O segundo é uma string de formatos, listados na tabela ??.

Modo Significado
"r" Abre um arquivo para leitura
"w" Cria um arquivo para escrita
"a" Acrescenta dados para um arquivo existente
"rb" Abre um arquivo binário para leitura
"wb" Cria um arquivo binário para escrita
"ab" Acrescenta dados a um arquivo binário j'a existente
"r+" Abre um arquivo para leitura/escrita
"w+" Cria um arquivo para leitura/escrita
"a+" Acrescenta dados ou cria um arquivo para leitura/escrita
"r+b" Abre um arquivo binário para leitura/escrita
"w+b" Cria um arquivo binário para leitura/escrita
"a+b" Acrescenta ou cria um arquivo binário para leitura/escrita
"rt" Abre um arquivo texto para leitura
"wt" Cria um arquivo texto para leitura
"at" Acrescenta dados a um arquivo texto
"r+t" Abre um arquivo texto para leitura/escrita
"w+t" Cria um arquivo texto para leitura/escrita
"a+t" Acrescenta dados ou cria um arquivo texto para leitura/escrita

Tabela 16.2: Modos de acesso a arquivo

êxemplo:

FILE *fp; /* fp e um ponteiro para arquivo */
if ((fp=fopen("teste.txt", "w")) == NULL) f

/* se não conseguiu criar arquivo ... */
puts ("Nao posso criar o arquivo!"n");
êxit(1);
g

Observação: Ao tentar abrir um arquivo já existente com a op,c~ao "w", ser'a criado um novo arquivo
êm disco, apagando o antigo.

16.4 Função fclose()
A função fclose é usada para fechar um arquivo que foi aberto por fopen. Ela escreve quaisquer dados
restantes do buffer para o disco e faz um fechamento formal em nível de sistema operacional.

Protótipo:

int fclose (FILE *fp);
Onde fp é um ponteiro para um arquivo . Um valor de retorno igual a zero significa que a operação
foi realizada com sucesso, qualquer outro valor significa erro. Geralmente o único momento em que a
função fclose falhará é quando um disquete tiver sido removido do drive.

16.5 Função fputc()
A função fputc é usada para escrever caracteres em um arquivo aberto para escrita.

Protótipo:

int fputc(int ch, FILE *fp);
Onde ch é o caractere a ser escrito e fp 'e um ponteiro para um arquivo. Se não houver erro a funç~ao
retornará o caractere escrito. Em caso de falha, um EOF é retornado.

16.6. FUNC,

~
AO FGETC() 69

16.6 Função fgetc()
A função fgetc() é usada para ler caracteres de um arquivo.

Protótipo:

int getc(FILE *fp);
Onde fp é um ponteiro para um arquivo. A função retorna o caracter lido.
êxemplo:

/* O programa que le arquivos e exibe-os na tela */
#include !stdio.h?
#include !stdlib.h?

void main (int argc, char *argv[ ]) f

FILE *fp;
char ch;
if (argc !=2 )f

printf ("Voce esqueceu de informar o nome do arquivo!"n");
êxit (1);
g
if ((fp=fopen(argv[1], "r"))==NULL)f

printf("O arquivo não pode ser aberto"n");
êxit (1);
g
ch = getc(fp) /* l^e um caractere */
while (ch != EOF)f

/* repete enquanto nao for o final do arquivo */
printf("%c", ch); /* imprime caracter lido na tela */
ch = getc(fp); /* le proximo caracter */
g
fclose(fp); /* fecha o arquivo */
g

16.6.1 Exercícios
1) Escreva um programa que leia palavras digitadas pelo usuário enquanto ele não digitar "fim"e que
êscreva estas strings em um arquivo chamado strings.dat.

O programa deverá gravar o final de cada string, ou seja, o caracter '"0'.

2) Escreva um programa que abra o arquivo strings.dat criado pelo programa do exercício anterior e
imprima as strings armazenadas na tela.

A cada vez que for encontrado um final de string, o programa deverá quebrar a linha (imprimir o
caracter '"n').

16.7 Função feof()
Quando um arquivo é aberto para entrada binária, 'e possível encontrar um valor inteiro igual `a marca
de EOF. Isso pode fazer com que seja indicada uma condição de fim de arquivo, sem que o mesmo tenha
sido realmente encontrado.

Para resolver este problema, incluiu-se a função feof(), que é usada para determinar o final de um
arquivo quando da leitura de dados binários.

Protótipo:

int feof(FILE *fp);
Onde fp é um ponteiro de um arquivo usado por fopen(). O valor de retorno 'e verdadeiro (1) se o fim
do arquivo foi encontrado.

70 CAP

'

ITULO 16. ARQUIVOS

êxemplo:

while (!feof(fp)) ch=getc(fp);
Naturalmente, o mesmo método pode ser aplicado tanto a arquivos textos como a arquivos binários.

16.8 Função ferror()
A função ferror é usada para determinar se uma opera,c~ao em um arquivo produziu erro.

Protótipo:

int ferror(FILE *fp);
Onde fp é um ponteiro para um arquivo. A função ferror retorna verdadeiro (1) se um erro ocorreu
durante a última operação com o arquivo e falso (0), caso contrário.

Uma vez que cada operação em arquivo determina uma condi,c~ao de erro, a fun,c~ao ferror deve ser
chamada imediatamente após cada operação com o arquivo, caso contrário, um erro pode ser perdido.

16.9 Função rewind()
A função rewind reinicia o ponteiro do arquivo para o come,co do mesmo.

Protótipo:

void rewind(FILE *fp);
Onde fp é um ponteiro de arquivo.

16.10 Função remove()
A função remove() apaga o arquivo especificado.

Protótipo:

int remove(char *nome do arquivo);
Onde nome do arquivo é uma string contendo o nome do arquivo e o valor de retorno 'e 0 em caso de
sucesso e diferente de zero se ocorrer um erro.

16.11 Funções fgets() e fputs()
êssas duas funções podem ler e escrever strings para fluxos.

Protótipos:

char *fputs(char *str, FILE *fp);
char *fgets(char *str, int tamanho, FILE *fp);
A função fputs escreve a string em um arquivo fp especificado.
A função fgets l^e uma string do arquivo fp especificado. A fun,c~ao fgets l^e uma string até que um
caractere de nova linha seja lido ou tamanho-1 caracteres sejam lidos. Se uma nova linha é lida, o caracter
nova linha será adicionado ao final da string str.

Toda string lida por fgets é terminada pelo caracter nulo "0.

16.11.1 Exercícios
Resolva os dois exercícios da seção ??, na página ??, mas agora utilizando as fun,cões fgets e fputs ao
invés de getc e putc.

Nesse caso, não se preocupe em gravar o caracter nulo.

16.12 Funções fread() e fwrite()
As funções fread e fwrite permitem leitura ou escrita de um ou mais blocos de dados ao mesmo tempo.
êstas funções são muito úteis para gravar diversos tipos de dados mais complexos, como vetores e estruturas.

Protótipos:

16.12. FUNC,

~
OES FREAD() E FWRITE() 71

unsigned fread(void *buf, int num bytes, int count, FILE *fp);
unsigned fwrite(void *buf, int num bytes, int count, FILE *fp);
Na função fread(), buf é um ponteiro ou uma refer^encia para uma regi~ao de memória que receberá os
dados lidos do arquivo.

Observe que para obter uma refer^encia para uma determinada operação, pode ser utilizado o operador
& precedendo variável (ver seção ??, p.??). buf pode ser refer^encia para qualquer tipo de dado.

O par^ametro num bytes é o tamanho, em bytes, do dado passado como par^ametro para leitura em
buf.

Como já foi visto na seção ??, p.??, o operador sizeof é ideal para obten,c~ao do tamanho de um dado.
O par^ametro count indica quantos dados do tamanho num bytes deverão ser lidos para a memória,
ou seja, count é ideal para a leitura de vetores a partir de uma arquivo.

Por final, o par^ametro fp é um ponteiro para um arquivo a partir do qual os dados serão lidos.
êxemplo:

#include !stdio.h?

int main()f

struct f int x, y, z; g, est, mat[5];
/* abre arquivo para leitura, modo binario */
FILE *fp = fopen("arq", "rb");

fread(&est, sizeof(est), 1, fp); /* le dados para variavel est */
fread(&mat, sizeof(est), 5, fp); /* le dados para matriz mat */
fclose(fp);
g
Note, no exemplo anterior, que para realizar uma leitura sobre o vetor mat não foi necessário preceder
o nome da variável com o operador &. Isso é possível porque toda matriz em C 'e considerada como se
fosse um ponteiro (uma refer^encia para o início da matriz), como já foi visto na seção ??, p.??.

Para a função fwrite, os par^ametros t^em significado semelhante aos já descritos.
buf é um ponteiro(refer^encia) para um dado que deseja-se escrever.
num bytes é o tamanho do tipo de dado.
count é a quantidade de dados de tamanho num bytes que deve ser escrito.
fp é um ponteiro para o arquivo em que deverá ser realizada a escrita.
êxemplo

#include !stdio.h?
#include !stdlib.h?
int main()f

FILE *fp;
float exemplo[100];
int i;

/* verifica se houve erro na abertura do arquivo */
if ((fp=fopen ("exemplo", "wb")) == NULL) f

printf ("O arquivo não pode ser aberto!"n");
êxit(1);
g

/* le a matriz inteira em um unico passo */
if (fread(&exemplo, sizeof(exemplo), 1, fp) != 1)

printf("Erro no arquivo!");

for (i=0; i!100; i++) printf ("%f", exemplo[i]);
fclose(fp);
g

16.12.1 Exercícios
1) Escreva um programa que armazena dados digitados pelo usuário em uma estrutura cliente e grava
êsta estrutura em um arquivo enquanto o campo código não for 0.

72 CAP

'

ITULO 16. ARQUIVOS

struct clientef

int codigo;
char nome [20];
g;

Os primeiros bytes desse arquivo deverão ser reservados para gravar o número de registro gravados.
A variável de contagem dever'a ser do tipo long int.

2) Escreva uma programa que abre o arquivo gerado pelo programa do exercício anterior, l^e os primeiros
bytes para uma variável e finalmente l^e todos os dados do arquivo de uma vez para um vetor clientes.

Note que o tamanho do vetor clientes deverá ser determinado dinamicamente, a partir da vari'avel
que diz quantos clientes foram previamente gravados.

16.13 Funções fprintf() e fscanf()
As funções fprintf e fscanf funcionam exatamente como as fun,c~oes printf e scanf, mas ao invés de
operarem sobre a entrada e saída padrão, operam sobre um arquivo qualquer.

Protótipos:

int fprintf(FILE *fp, char *string de controle,....);
int fscanf(FILE *fp, char *string de controle,....);
Onde fp é um ponteiro para um arquivo no qual deseja-se ler ou escrever.

16.13.1 Exercício
Apresente um código utilizando fprintf e fscanf ao invés de fwrite e fread que seja equivalente ao c'odigo
abaixo:

#include !stdio.h?
#include !stdlib.h?

int main()f

struct cliente f

int codigo;
char nome [30];
g;
struct cliente cli 1 = f 20, "Fulano Ciclano de Beltrano"g;
struct cliente cli 2;
FILE* fp = fopen("arquivo", "wb");
fwrite(&cli 1, sizeof(struct cliente), 1, fp);
fclose(fp);
fp = fopen("arquivo", "rb");
fread(&cli 2, sizeof(struct cliente), 1, fp);
printf("Nome %s codigo %d"n", cli 2.nome, cli 2.codigo);
g

16.14 Função fseek()
Através da função fseek 'e possível posicionar o ponteiro de leitura/escrita de um arquivo para qualquer
posição dentro do arquivo.

Protótipo:

int fseek (FILE *fp, long numbytes, int origem);
Onde fp é um ponteiro para um arquivo, numbytes, 'e o número de bytes, a partir da origem, necessários
para se conseguir a posição corrente e origem é uma das constantes definidas em stdio.h listadas na tabela
??.

Observe que, através da função fseek, 'e possível posicionar a leitura/escrita para o in'icio do arquivo
(fseek(fp, 0, SEEK.SET)), tornando-a equivalente `a função rewind.

16.15. EXERC

'

ICIOS 73

Origem Nome da Constante Valor
Começo do arquivo SEEK SET 0

Posição corrente SEEK CUR 1

Fim do arquivo SEEK END 2

Tabela 16.3: Constantes de posição

Se a função fseek retornar zero, indica que houve sucesso na chamada `a fun,c~ao fseek. Um valor
diferente de zero indica uma falha.

/* ... */
FILE *fp;
char ch;
if ((fp=fopen("teste", "rb")) == NULL)f

printf ("o arquivo não pode ser aberto"n");
êxit (1);
g
fseek(fp, 234, SEEK SET); /* pode-se trocar o SEEK SET por 0 */
ch = getc(fp); /* l^e o 235

o

caracter*/

/* ... */

16.15 Exercícios

1. Escreva um programa que receba dados informados pelo usuário em uma estrutura questao, definida

abaixo:

struct questaof

char enunciado[255];
int n opcoes, soma correta;
char** texto opcao;
g

O funcionamento do programa deverá ser o seguinte:

ffl recebe-se o enunciado da questão;
ffl recebe-se o número de opções desta questão;
ffl recebe-se o texto referente a cada opção, o qual é armazenado na matriz texto opcao;
ffl a cada vez que o programa requisita que o usuário digite o texto, dever'a ser apresentado o

número de soma da questão (que deverá ser sempre uma pot^encia de 2).

A matriz texto opcao é uma matriz bidimensional, que será indexada por 0..n para determinar o
número da opção, e para cada op,c~ao dever~ao ser alocados 128 bytes para entrar com a string.

Por final, o programa deve requisitar que seja digitado o valor da soma correta.
Depois de terminada a entrada de dados, o programa deverá armazenar a estrutura em um arquivo
chamado "questoes.dat" e perguntará ao usu'ario se deseja gravar mais questões.

2. Escreva um programa que vai ler o arquivo "questoes.dat" criado pelo programa do exercício anterior, e simplesmente irá imprimir o enunciado da questão, o texto das opções com seus respectivos
números e o valor da resposta.

74 CAP

'

ITULO 16. ARQUIVOS

\end{document}