Aprimora a documentação do egg_parasitoid.

parent 9f09bfd4
#' @name egg_parasitoid
#' @title Efeito de Inseticidas no Parasitismo de \emph{Trichogramma} em
#' Ovos de Lagartas da Soja
#'
#' @description Resultados de um experimento que estudou o efeito de 7
#' inseticidas sobre o parasitismo de duas espécies de
#' \emph{Trichogramma} em ovos de dois hospedeiros que são lagartas
#' defolhadoras na cultura do soja. O experimento foi instalado em
#' delineamento inteiramente casualizado com 20 repetições com
#' tratamentos proveninetes do arranjo em esquema fatorial completo
#' \eqn{7 \times 2 \times 2} (28 celas), perfazendo 560 obsevações.
#'
#' A unidade experimental foi uma cartela com ovos do hospedeiro
#' previamente tratados com um inseticida. Uma fêmea de uma das
#' espécies de parasitóide era colocada com cartela para parasitá-lo
#' dentro de um recipiente. Depois de 24 horas era verificado se a
#' fêmea estava viva. Ela era então removida do recipiente. Os ovos
#' da cartela foram observados diáriamente até que acontecesse a
#' emergência dos parasitóides. O número de ovos parasitados, total
#' de parasitóides mortos e nascidos de cada sexo e número de dias
#' de incubação dos parasitóides foram algumas das variáveis
#' registradas no experimento.
#'
#' Quando as fêmeas morrem antes de fazer o parasitismo, não existem
#' @title Efeito de Inseticidas no Parasitismo de \emph{Trichogramma}
#' em Ovos de Lagartas da Soja
#' @description Resultados de um experimento que estudou o efeito de 6
#' inseticidas (mais a testemunha) sobre o parasitismo de duas
#' espécies de \emph{Trichogramma} em ovos de dois hospedeiros que
#' são lagartas defolhadoras na cultura da soja. O experimento foi
#' instalado em delineamento inteiramente casualizado com 20
#' repetições. Os tratamentos são proveninetes do arranjo em esquema
#' fatorial completo \eqn{7 \times 2 \times 2} (28 celas),
#' perfazendo 560 obsevações.
#'
#' A unidade experimental foi uma cartela com ovos do hospedeiro
#' previamente tratados, por uma hora, com um inseticida. Uma fêmea,
#' de uma das espécies de parasitóide, foi liberada dentro de um
#' tubo de ensaio unto com a cartela contendo ovos do hopedeiro para
#' parasitá-los. Depois de 24 horas foi verificado se a fêmea estava
#' viva. Ela foi então removida do recipiente. Os ovos da cartela
#' foram observados diariamente até que acontecesse a emergência dos
#' parasitóides. Ao término do experimento, quando todos os insetos
#' nascidos morreram, o número de ovos parasitados, total de
#' parasitóides mortos e nascidos de cada sexo e número de dias de
#' incubação dos parasitóides foram algumas das variáveis
#' registradas.
#'
#' Quando as fêmeas morrem antes de fazer o parasitismo, não existem
#' registros para ovos parasitados e para as demais variáveis
#' dependentes do evento parasitar os ovos.
#' dependentes do evento "parasitar os ovos".
#'
#' @format Um \code{data.frame} com 560 observações e 12 variáveis, em
#' que
......@@ -31,55 +33,63 @@
#' \describe{
#'
#' \item{\code{inset}}{Fator que representa o inseticica aplicado aos
#' ovos do hospedeiro.}
#' ovos do hospedeiro. A testemunha foi a aplicação de água.}
#'
#' \item{\code{paras}}{Fator que representa a espécie do parasitóride:
#' \item{\code{paras}}{Fator que representa a espécie do parasitóide:
#' \emph{Trichogramma atopovirilia} e \emph{Trichogramma
#' pretiosum}.}
#'
#' \item{\code{hosp}}{Fator que representa o hospedeiro cujos ovos são
#' parasitados: \emph{Anticarsia gemmatalis} (lagarta-da-soja) e
#' colocados em uma cartela e oferecidos para serem parasitados:
#' \emph{Anticarsia gemmatalis} (lagarta-da-soja) e
#' \emph{Chrysodeixis includens} (lagarta-falsa-medideira).}
#'
#' \item{\code{rept}}{Número que indentifica as repetições de cada cela
#' experimental. A unidade experimental é uma cartela com ovos do
#' hospedeiro (\code{hosp}) tratado com um inseticida (\code{inset})
#' e exposta a um parasitóide (\code{paras}).}
#' hospedeiro (\code{hosp}) tratado previamente com um inseticida
#' (\code{inset}) e exposta a um parasitóide (\code{paras}).}
#'
#' \item{\code{mort}}{Variável binária que indica a sobrevivência (1) ou
#' não (2) da fêmea 24 horas após ser liberada na cartela.}
#'
#' \item{\code{otot}}{Número total de ovos para serem parasitados na
#' cartela (unidade experimental).}
#' cartela (unidade experimental) colocada dentro do tubo de
#' ensaio.}
#' \item{\code{incub}}{Tempo para incubação dos parasitóides. É o
#' intervalo de tempo (em dias) entre o dia da liberação da fêmea
#' junto a cartela com ovos (início do parasitismo) e a emergência
#' dos parasitóides dos ovos. Os parasitóides de uma mesma cartela
#' emergiram todos no mesmo dia.}
#'
#' \item{\code{opar}}{Número de ovos parasitados da cartela pela fêmea
#' do parasitóide.}
#' do parasitóide 24h após a sua liberação.}
#'
#' \item{\code{oeme}}{Número de ovos com orifício de emergência de
#' parasitóide, o que indica que o ovo foi parasitado e emergiram
#' parasitóides dele (pelo menos um).}
#' parasitóides dele (pelo menos um parasitóide).}
#'
#' \item{\code{pne}}{Parasitóides não emergidos por cartela. É o total
#' de parasitóides encontrados nos ovos da cartela que não
#' emergiram.}
#'
#' \item{\code{incub}}{Tempo para incubação dos parasitóides. É o
#' intervalo de tempo (em dias) entre o dia da liberação da fêmea
#' nos ovos (início do parasitismo) e a emergência dos
#' parasitóides. Os parasitóides de uma mesma cartela emergiram
#' todos no mesmo dia.}
#' emergiram, por não sobreviver ao inseticida ou não ter vigor para
#' sair.}
#'
#' \item{\code{macho}}{Número de parasitóides machos na cartela
#' emergidos com vida. A diferença entre os sexos é morfológica,
#' marcada pelo tipo de antena dos parasitóides.}
#' marcada pelo tipo de antena dos parasitóides. Depois de mortos,
#' os parasitóides emergidos do tubo de ensaio foram avaliados com
#' lupa para determinação dos sexos pela forma da antena.}
#'
#' \item{\code{femea}}{Número de parasitóides fêmeas na cartela
#' emergidos com vida. A soma dois sexos resulta no total de
#' parasitóides vivos, enquanto que \code{pne} é o total de mortos.}
#'
#' \item{\code{mort}}{Variável binária que indica a sobrevivência (1) ou
#' não (2) da fêmea 24 horas após ser liberada na cartela.}
#' parasitóides vivos, enquanto que \code{pne} é o total de
#' mortos. Com essas variáveis é possível determinar a proporção de
#' emergência.}
#'
#' }
#' @source Tamara Akemi Takahashi (\email{tamaratakahashi@@gmail.com}).
#' IMPROVE
#' @source Tamara Akemi Takahashi (\email{tamaratakahashi@@gmail.com}),
#' estudante de Mestrado do Programa de Pós Graduação em Produção
#' Vegetal da UFPR (\url{http://www.pgapv.agrarias.ufpr.br/}). Luís
#' Amilton Foerster (\email{lfoerster888@@gmail.com}, orientador).
#' @examples
#'
#' data(egg_parasitoid)
......
......@@ -2,89 +2,99 @@
% Please edit documentation in R/egg_parasitoid.R
\name{egg_parasitoid}
\alias{egg_parasitoid}
\title{Efeito de Inseticidas no Parasitismo de \emph{Trichogramma} em
ovos de lagarta}
\title{Efeito de Inseticidas no Parasitismo de \emph{Trichogramma}
em Ovos de Lagartas da Soja}
\format{Um \code{data.frame} com 560 observações e 12 variáveis, em
que
\describe{
\item{\code{inset}}{Fator que representa o inseticica aplicado aos
ovos do hospedeiro.}
ovos do hospedeiro. A testemunha foi a aplicação de água.}
\item{\code{paras}}{Fator que representa a espécie do parasitóride:
\item{\code{paras}}{Fator que representa a espécie do parasitóide:
\emph{Trichogramma atopovirilia} e \emph{Trichogramma
pretiosum}.}
\item{\code{hosp}}{Fator que representa o hospedeiro cujos ovos são
parasitados: \emph{Anticarsia gemmatalis} (lagarta-da-soja) e
colocados em uma cartela e oferecidos para serem parasitados:
\emph{Anticarsia gemmatalis} (lagarta-da-soja) e
\emph{Chrysodeixis includens} (lagarta-falsa-medideira).}
\item{\code{rept}}{Número que indentifica as repetições de cada cela
experimental. A unidade experimental é uma cartela com ovos do
hospedeiro (\code{hosp}) tratado com um inseticida (\code{inset})
e exposta a um parasitóide (\code{paras}).}
hospedeiro (\code{hosp}) tratado previamente com um inseticida
(\code{inset}) e exposta a um parasitóide (\code{paras}).}
\item{\code{mort}}{Variável binária que indica a sobrevivência (1) ou
não (2) da fêmea 24 horas após ser liberada na cartela.}
\item{\code{otot}}{Número total de ovos para serem parasitados na
cartela (unidade experimental).}
cartela (unidade experimental) colocada dentro do tubo de
ensaio.}
\item{\code{incub}}{Tempo para incubação dos parasitóides. É o
intervalo de tempo (em dias) entre o dia da liberação da fêmea
junto a cartela com ovos (início do parasitismo) e a emergência
dos parasitóides dos ovos. Os parasitóides de uma mesma cartela
emergiram todos no mesmo dia.}
\item{\code{opar}}{Número de ovos parasitados da cartela pela fêmea
do parasitóide.}
do parasitóide 24h após a sua liberação.}
\item{\code{oeme}}{Número de ovos com orifício de emergência de
parasitóide, o que indica que o ovo foi parasitado e emergiram
parasitóides dele (pelo menos um).}
parasitóides dele (pelo menos um parasitóide).}
\item{\code{pne}}{Parasitóides não emergidos por cartela. É o total
de parasitóides encontrados nos ovos da cartela que não
emergiram.}
\item{\code{incub}}{Tempo para incubação dos parasitóides. É o
intervalo de tempo (em dias) entre o dia da liberação da fêmea
nos ovos (início do parasitismo) e a emergência dos
parasitóides. Os parasitóides de uma mesma cartela emergiram
todos no mesmo dia.}
emergiram, por não sobreviver ao inseticida ou não ter vigor para
sair.}
\item{\code{macho}}{Número de parasitóides machos na cartela
emergidos com vida. A diferença entre os sexos é morfológica,
marcada pelo tipo de antena dos parasitóides.}
marcada pelo tipo de antena dos parasitóides. Depois de mortos,
os parasitóides emergidos do tubo de ensaio foram avaliados com
lupa para determinação dos sexos pela forma da antena.}
\item{\code{femea}}{Número de parasitóides fêmeas na cartela
emergidos com vida. A soma dois sexos resulta no total de
parasitóides vivos, enquanto que \code{pne} é o total de mortos.}
\item{\code{mort}}{Variável binária que indica a sobrevivência (1) ou
não (2) da fêmea 24 horas após ser liberada na cartela.}
parasitóides vivos, enquanto que \code{pne} é o total de
mortos. Com essas variáveis é possível determinar a proporção de
emergência.}
}}
\source{
Tamara Akemi Takahashi (\email{tamaratakahashi@gmail.com}).
IMPROVE
Tamara Akemi Takahashi (\email{tamaratakahashi@gmail.com}),
estudante de Mestrado do Programa de Pós Graduação em Produção
Vegetal da UFPR (\url{http://www.pgapv.agrarias.ufpr.br/}). Luís
Amilton Foerster (\email{lfoerster888@gmail.com}, orientador).
}
\description{
Resultados de um experimento que estudou o efeito de 7
inseticidas sobre o parasitismo de duas espécies de
\emph{Trichogramma} em ovos de dois hospedeiros que são lagartas
defolhadoras pragas na cultura do soja. O experimento foi
Resultados de um experimento que estudou o efeito de 6
inseticidas (mais a testemunha) sobre o parasitismo de duas
espécies de \emph{Trichogramma} em ovos de dois hospedeiros que
são lagartas defolhadoras na cultura da soja. O experimento foi
instalado em delineamento inteiramente casualizado com 20
repetições com tratamentos proveninetes do arranjo em esquema
repetições. Os tratamentos são proveninetes do arranjo em esquema
fatorial completo \eqn{7 \times 2 \times 2} (28 celas),
perfazendo 560 obsevações.
A unidade experimental foi uma cartela com ovos do hospedeiro
previamente tratados com um fungicida. Uma fêmea de uma das
espécies de parasitóide era exporta à cartela para parasitá-lo
dentro de um recipiente. Depois de 24 horas era verificado se a
fêmea estava viva. Ela era então removida do recipiente e os ovos
foram observados diáriamente até que acontecesse a emergência dos
ovos parasitados. O número de ovos parasitados, total de
parasitóides mortos e nascidos (macho e fêmea) e número de dias
de incubação dos parasitóides foram algumas das variáveis
registradas no experimento.
Quando as fêmeas morrem antes de fazer o parasitismo, não existem
A unidade experimental foi uma cartela com ovos do hospedeiro
previamente tratados, por uma hora, com um inseticida. Uma fêmea,
de uma das espécies de parasitóide, foi liberada dentro de um
tubo de ensaio unto com a cartela contendo ovos do hopedeiro para
parasitá-los. Depois de 24 horas foi verificado se a fêmea estava
viva. Ela foi então removida do recipiente. Os ovos da cartela
foram observados diariamente até que acontecesse a emergência dos
parasitóides. Ao término do experimento, quando todos os insetos
nascidos morreram, o número de ovos parasitados, total de
parasitóides mortos e nascidos de cada sexo e número de dias de
incubação dos parasitóides foram algumas das variáveis
registradas.
Quando as fêmeas morrem antes de fazer o parasitismo, não existem
registros para ovos parasitados e para as demais variáveis
dependentes do evento parasitar os ovos.
dependentes do evento "parasitar os ovos".
}
\examples{
......
Markdown is supported
0% or
You are about to add 0 people to the discussion. Proceed with caution.
Finish editing this message first!
Please register or to comment